Páginas

quinta-feira, 22 de julho de 2010

A ESTAÇÃO FINAL DO TREM (poesia)


Autor: Mateus Barros

Vagões lotados

Pessoas nos convéns

Todos estão à espera

Da estação final do trem


Pessoas sentam ao meu lado

Parados em minha frente estão

Olhos marcados pela história

Mas eu não sei quem são

Na estação eles saltam

Alguns deixarão saudades

Outros partirão na solidão


Este trem chamado vida

Pela trilha do tempo ele percorre

Acelerando e freando

Velocidade inconstante

Paradas bruscas e imprevisíveis

Outras já ansiosamente esperadas

Só este trem que não morre


Na janela olhamos a paisagem

O mundo mostra a sua face

Tão independente da nossa passagem

Ali estão outros passageiros do trem

Sem saber o dia a hora ou a precisão

O que eles sabem é que o trem sempre vem


Já ouvi falar de trens fantasmas

Será que eles existem

Uns dizem que são de arrepiar

Outros que são como este

Onde a viagem continua

Além da estação final


Somos todos passageiros neste trem

Sabemos da estação destino que nos aguarda

Mas a viagem é tão bonita

Com tantos passageiros ilustres

Que esquecemos para onde vamos

Há algo de inexplicável neste trem


Às vezes desejamos chegar logo

Viajamos sem levar bagagens

Sente que valor nenhum esta viagem tem

Outros passageiros já não mais importam

Dá até vontade de saltar do trem


Outros viajam felizes

Satisfeitos apesar dos poréns

Sentem que fizeram da viagem uma obra de arte

Fizeram coisas e amaram alguém

No chão duro do vagão plantou sementes

Seguiram o caminho do bem

Agora podem relaxar e chegar

Na estação final do trem


Esperado ou inesperado

Este trem possui um sistema falho

Ele não avisa

Se vai parar ou se vai continuar

Não sabemos onde e quando

Chegaremos na estação final

Deste trem chamado vida.

* dedico esta postagem a Lilian. Sua avó está hospitalizada devido a idade avançada. Espero que ela melhore e que estas palavas sirvam de conforto.

2 comentários: